PriscilaMonteiro
Piscóloga CRP: 05/40740
Psicologia - Qualidade de vida
 
   
 
Álcool e os jovens

Do ponto de vista médico, “alcoolismo é uma doença crônica, com aspectos comportamentais e socioeconômicos, caracterizada pelo consumo compulsivo de álcool, na qual o usuário se torna progressivamente tolerante à intoxicação produzida pela droga e desenvolve sinais e sintomas de abstinência, quando a mesma é retirada“.O alcoolismo que já uma doença muito triste entre os adultos e seus familiares, quando este dilema ocorre com um jovem alcoólatra o drama é ainda maior, pois a adolescência é uma fase muito complicada, e os jovens muitas vezes se encontram numa fase onde querem forçar os seus limites, e esta fase dificulta ainda mais o tratamento devido o alcoolismo possuir um forte estigma social que eles procuram evitar, esta defesa natural para a preservação da auto-estima acaba atrasando na intervenção terapêutica e quando o paciente finalmente concorda em se tratar é porque já se passou muito tempo, e diversos prejuízos já foram sofridos.

Sem falar que a mídia não ajuda em nada, com o fato de os comerciais que passam com maior freqüência serem da indústria de bebidas alcoólicas, em que os temas se relacionam diretamente com os anseios dos mais jovens como, relaxamento, camaradagem e humor.

  Saibam que o combate ao alcoolismo deve começar em casa. Afinal, a maioria dos jovens com alto grau de dependência começou na santidade do lar. Sabe aqueles churrascos de domingo, pequenas reuniões de família ou um dia típico onde os pais muitas vezes deixam o filho dar só uma bicadinha? Bem, foi esta bicadinha que iniciaram muitos dos que estão em tratamento atualmente. O hábito de usar a bebida para aliviar a tensão ou relaxar, por exemplo, é aprendido em casa, e é aí que as coisas se complicam a adolescência è um momento muito complicado da vida de uma pessoa e o álcool não deve ser aquele que o ajudará a passar pelos momentos difíceis, se os pais fazem isso, é provável que os filhos repitam esse comportamento. Para se iniciar um tratamento é necessário que preserve em níveis elevados a auto-estima da pessoa sem, entretanto, negar sua condição de alcoólatra, o que é muito difícil de conseguir na prática, mas com trabalho em conjunto do terapeuta e paciente (e seus familiares, se possível) é conseguido.      

Pesquisadores comprovaram que tudo começa em casa, quem tiver filhos já pode começar a prevenção desde já, evitando as famosas bicadinhas, por exemplo, limites devem se colocados com firmeza. Em especial aqueles que possuem algum membro da família com problemas com bebidas porque a chance de o jovem se tornar dependente é ainda maior. Quanto mais tempo à pessoa (criança) ficar longe da bebida melhor.