PriscilaMonteiro
Piscóloga CRP: 05/40740
Psicologia - Qualidade de vida
 
   
 
DEPRESSÃO

A depressão é definida como um conjunto de sintomas como humor deprimido, tristeza, desesperança, perda de interesse e prazer por atividades que anteriormente apreciava, além de baixo nível de energia, a pessoa fica desanimada a um nível que interfere na sua vida, sua atenção fica rebaixado e tende a sentir um cansaço constante.

É natural nos sentirmos tristes de vez em quando, é um sentimento natural que faz parte de sermos humanos, porém a depressão não deve ser confundida com a tristeza, está deve ser tratada com a seriedade que merece, é uma doença, como qualquer outra, que necessita de tratamento.

Os amigos e familiares podem tentar ajudar cobrando atitude ou incentivando a sair e se distrair para acabar com os sentimentos negativos, porém é necessário muito mais que isto, para tratar a depressão é necessário que a pessoa possa refletir e fazer toda uma reestruturação cognitiva e comportamental.

O melhor que podem fazer por uma pessoa que se encontra em um estado depressivo é ouvir e aconselhar a buscar ajuda profissional. Pois quem se encontra neste estado enxerga o mundo a partir de um filtro escuro, como se tudo perdesse a graça, acredita não ter mais a capacidade de sentir prazer ou alegria na vida, enxerga de forma negativa a si, o mundo e futuro e muitas vezes com desesperança. ” O paciente deprimido terá dias melhores ou piores assim como o não deprimido. Ambos terão suas tormentas e dias ensolarados, mas as tormentas de um, não se comparam às tormentas do outro, nem os dias de sol de um, se comparam com os dias de sol do outro. Existem semelhanças, mas a manifestação final é muito diferente. Este tipo de engano é o mesmo que uma pessoa comete ao comparar as suas fases de baixo astral com a depressão psiquiátrica de um amigo. Ninguém sabe o que um deprimido sente, só ele mesmo e talvez quem tenha passado por isso (psicosite)”.

Os sintomas são variados, com sentimento de tristeza, passando pelos pensamentos negativos, além de sensações corporais como dores e enjôos. Todavia para se fazer o diagnóstico é necessário um grupo de sintomas centrais:

  • Perda de energia ou interesse
  • Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia.
  • Dificuldade de concentração
  • Alterações do apetite e do sono
  • Lentificação das atividades físicas e mentais
  • Sentimentos de medo, insegurança, ansiedade, desesperança, desamparo e vazio.
  • Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte.
  • Interpretação distorcida e negativa: tudo é visto sob a ótica negativa sobre para si, os outros e o mundo.
  • Diminuição do desempenho sexual (pode até manter atividade sexual, mas sem a conotação prazerosa habitual) e da libido.
  • Sintomas físicos mais comuns são: tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, dores de barriga, flatulência, azia, diarreia, constipação, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito, taquicardia.

Qualquer pessoa pode desenvolver a depressão, é independente de sexo ou idade, apesar das mulheres serem maioria, as causas podem ser inúmeras, como fatores genéticos e neuroquímicos, em conjunto com fatores ambientais, sociais e psicológicos, como: estresse, estilo de vida, além de fatores como, como crises e separações conjugais, morte na família, crise da meia-idade, saída dos filhos de casa(ninho vazio), entre outros. 

A psicoterapia cognitivo comportamental foi desenvolvida para o melhor tratamento da depressão e é uma das mais indicadas para tal, e muitas vezes é necessário  a terapia ser usada junto ao tratamento medicamentoso, que é dado por um médico especializado.